Talleres Filsa: controladores de nivel para sólidos y líquidos
IFR apresenta o World Robotics Report 2020

Número recorde de 2,7 milhões de robôs trabalham em fábricas por todo o mundo

15/10/2020
O novo relatório World Robotics 2020 Industrial Robots demonstra que um número recorde de 2,7 milhões de robôs industriais trabalham em fábricas por todo o mundo. De facto, as vendas de novos robôs continuam em alta, com 373 000 unidades expedidas globalmente em 2019. Este valor é 12% inferior ao registado em 2018, ainda assim, é o 3.º maior volume de vendas de sempre.

“Atualmente, o número de robôs industriais a trabalhar em fábricas a nível mundial é o mais elevado da história”, afirma Milton Guerry, presidente da International Federation of Robotics. “Graça ao impulso da história de sucesso da automação e produção inteligente, isto representa um crescimento a nível mundial de cerca de 85% num período de cinco anos (2014-2019). O recente abrandamento das vendas em 12% reflete os tempos difíceis que as duas principais indústrias clientes, o setor automóvel e elétrico/eletrónico, têm vivido.”

“Para além disso, ainda não é possível avaliar totalmente as consequências da pandemia de coronavírus na economia global”, acrescenta Milton Guerry. “Os restantes meses de 2020 serão marcados pela adaptação à ”nova normalidade". Os fornecedores de robôs ajustam-se à procura de novas aplicações e ao desenvolvimento de soluções.

É improvável que venha a ocorrer este ano um estímulo significativo proveniente de encomendas de grande escala. A China poderá ser uma exceção, tendo em conta que o coronavírus foi identificado pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan em dezembro de 2019 e o país já iniciou a recuperação no segundo trimestre. As restantes economias encontram-se atualmente num ponto de viragem. Contudo, serão ainda necessários alguns meses para que isso se traduza numa procura por robôs e projetos de automação. Em 2021 deveremos assistir a uma recuperação, no entanto, talvez apenas em 2022 ou 2023 seja alcançado um nível semelhante ao existente antes da crise."

foto

Evolução do número de robôs industriais em funcionamento em todo o mundo. Fonte: World Robotics 2020 Report.

Ásia, Europa e Américas - visão geral

A Ásia continua a ser o mercado mais forte a nível de robôs industriais - o volume operacional no maior adotante da região, a China, subiu 21% e atingiu cerca de 783 000 unidades em 2019. O Japão ocupa o segundo lugar, com cerca de 355 000 unidades – um aumento de 12 %. De seguida, encontra-se a Índia, com um novo recorde de cerca de 26 300 unidades - um aumento de 15%. Num período de cinco anos, a Índia duplicou o número de robôs industriais que operam nas fábricas do país.

A quota de instalação de novos robôs na Ásia representou cerca de dois terços do fornecimento a nível global. A venda de aproximadamente 140 500 novos robôs na China encontra-se abaixo dos anos recorde de 2018 e 2017, no entanto, continua a ser o dobro do valor registado há cinco anos atrás (2014: 57 000 unidades). As instalações nos principais mercados asiáticos abrandaram – na China (menos 9%) e no Japão (menos 10%).

Na China, a grande maioria (71%) dos novos robôs foram importados de fornecedores estrangeiros. Os fabricantes chineses continuam a focar-se no abastecimento do mercado nacional, onde têm aumentado as suas quotas de mercado. A indústria automóvel recebe 29% das suas unidades a partir de fornecedores estrangeiros, com os fornecedores chineses a representarem apenas 12%. Assim, os fornecedores estrangeiros são mais afetados pelas quebras da indústria automóvel chinesa do que os fornecedores nacionais.

foto

Principais 15 países quanto à instalação de robôs industriais a nível anual Fonte: World Robotics 2020 Report.

Europa

A Europa atingiu um volume operacional de 580 000 unidades em 2019 – aumento de 7%. A Alemanha continua a ser o principal cliente, com um volume operacional de cerca de 221 500 unidades – cerca de três vezes o volume da Itália (74 400 unidades), cinco vezes o volume da França (42 000 unidades) e dez vezes o volume do Reino Unido (21 700 unidades).

As vendas de robôs apresentam uma imagem diferenciada para os maiores mercados da União Europeia: Cerca de 20 500 robôs foram instalados na Alemanha. Este valor encontra-se abaixo do ano recorde de 2018 (menos 23%), embora esteja ao mesmo nível de 2014-2016. As vendas em França (+15%), Itália (+13%) e Países Baixos (+8%) subiram. A robótica no Reino Unido continua num nível baixo – as novas instalações abrandaram 16%. As recém-instaladas 2000 unidades no Reino Unido representam um volume dez vezes inferior face à Alemanha (20 500 unidades), cinco vezes inferior face à Itália (11 100 unidades) e três vezes inferior face à França (6700 unidades).

foto

Densidade robótica na indústria, por país. Fonte: International Federation of Robotics.

Américas

Os EUA são o maior utilizador de robôs industriais nas Américas, tendo alcançado um novo recorde de volume operacional de cerca de 293 200 unidades – aumento de 7%. Na segunda posição encontra-se o México com 40 300 unidades, um aumento de 11%, seguido pelo Canadá com cerca de 28 600 unidades – aumento de 2%.

As novas instalações nos Estados Unidos abrandaram em cerca de 17% em 2019, comparativamente ao ano recorde de 2018. Contudo, com 33 300 unidades expedidas, as vendas continuam em alta, representando o segundo resultado mais forte de sempre. Grande parte dos robôs nos EUA são importados do Japão e da Europa. Embora não existam muitos fabricantes de robôs norte-americanos, existem diversos integradores de sistemas robóticos de renome. O México encontra-se em segundo lugar na América do Norte, com cerca de 4600 unidades – um abrandamento de 20%. As vendas no Canadá cresceram 1%, atingindo um novo recorde de cerca de 3600 unidades expedidas.

O maior volume operacional na América do Sul encontra-se no Brasil, com aproximadamente 15 300 unidades – aumento de 8%. As vendas abrandaram 17% com cerca de 1800 instalações, o que ainda assim representa um dos melhores resultados de sempre, sendo apenas batido pelo recorde de expedições em 2018.

Tendência global em colaboração humano-robô

A adoção da colaboração humano-robô está em crescimento. Assistimos a um crescimento de 11% ao nível das instalações de colaboração humano-robô. Este desempenho de vendas dinâmico contrastou com a tendência global de robôs industriais tradicionais em 2019. Com cada vez mais fornecedores a oferecem robôs colaborativos e o âmbito de aplicações a aumentar, a quota de mercado atingiu 4,8% do total de 373 000 robôs industriais instalados em 2019. Embora este mercado esteja a crescer rapidamente, ainda se encontra numa fase inicial.

foto

Robôs industriais colaborativos e tradicionais. Fonte: International Federation of Robotics.

Perspetivas

A nível global, a Covid-19 causou um forte impacto em 2020, contudo, representa também uma oportunidade de modernização e digitalização da produção em direção à recuperação. A longo prazo, os benefícios de aumentar as instalações de robôs permanecem inalterados: Os principais incentivos são a rápida produção e entrega de produtos personalizados a preços competitivos. A automação permite que os fabricantes mantenham a produção em países desenvolvidos, ou que a relocalizem, sem prejudicar a relação custo-benefício. A gama de robôs industriais continua a expandir – dos tradicionais robôs isolados, capazes de manusear todo o tipo de cargas de forma rápida e precisa, até novos robôs colaborativos que trabalham de forma segura junto a humanos, totalmente integrados nas plataformas de trabalho.

A Covid-19 causou um forte impacto em 2020, contudo, representa também uma oportunidade de modernização e digitalização da produção em direção à recuperação.
InterPlast Acompanhe no FacebookInterPlastInterplast20 Years Jaba traduçao técnica especializada 4.0

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

interplast.pt

InterPLAST - informação para a indústria de plásticos portuguesa

Estatuto Editorial