Atlas Copco Rental: 24/7 ar comprimido
Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa
“A atual situação é resultado da falta de investimento na indústria europeia a que assistimos nos últimos anos”

Entrevista a Manuel Folhadela, sócio-gerente da Folhadela Rebelo

15/06/2022

A Folhadela Rebelo é uma das principais fornecedoras de equipamentos para a indústria de plásticos nacional. Em entrevista à InterPlast, realizada no âmbito do primeiro estudo de mercado de máquinas de injeção, Manuel Folhadela, sócio-gerente da empresa, explicou-nos como vê a atual situação do setor e apontou o dedo à falta de investimento europeu na indústria.

foto

Após o retrocesso imposto pela pandemia em 2020, 2021 acabou por ser um ano de recuperação para a maioria das empresas. Como avalia a atividade da sua empresa durante este período?

2020 foi, sem dúvida um ano difícil em termos de tesouraria. No entanto, acabámos por atingir os nossos objetivos, apesar dos dois meses em que estivemos quase parados. 2021 continuou a ser um ano instável, não só por causa da pandemia, mas também pelas dificuldades no setor automóvel, muito afetado pela falta de chips e de semicondutores. Ainda assim, foi um ano melhor que o anterior. Vendemos mais, ainda que com margens menores.

2021 foi também marcado pelo aumento dos preços das matérias-primas, bem como dos custos de energia e de transporte. De que forma estes fatores afetaram o setor e de que forma pensa que o farão em 2022?

Sim, os resultados positivos que as empresas conseguiram em 2021 acabaram por se diluir um pouco na subida dos juros e no aumento generalizado dos custos com matérias-primas, energia e transportes. A isso acresce a falta de apoio da União Europeia. Os incentivos atuais estão muito focados nos investimentos públicos e não na indústria. Isso não cria riqueza nem movimenta a economia.

Mas, acima de tudo, acho que, neste momento, o principal problema é a instabilidade na indústria automóvel, causada pela falta de semicondutores. E isto é, mais uma vez, resultado da falta de investimento na indústria europeia a que assistimos nos últimos anos. Dar o know-how e a riqueza toda à China foi uma asneira. Como já alguém escreveu, a Europa, neste momento, nem sequer tem capacidade para produzir uma bola de futebol.

As dificuldades de abastecimento e a subida de preços deverão manter-se pelo menos até ao final deste ano. A estes fatores acresce a instabilidade gerada pelo atual conflito bélico na Ucrânia. A sua empresa prevê alguma mudança estratégica para fazer face a estas dificuldades?

A guerra está a influenciar bastante o setor dos transportes. Assistimos a uma grande instabilidade no serviço, com as transportadoras a não conseguirem assegurar prazos de entrega, e nos preços. De tal forma, que só podemos marcar o preço final de um equipamento depois de sabermos quais são os custos de transporte. Estamos a falar de variações que vão dos 15 aos 30%.

Há outro problema: o revés da pandemia na China. Quando se fecha Xangai um mês inteiro, a economia global treme. O mercado chinês é muito importante, tanto para quem vende como para quem compra.

Uma empresa como a nossa, que não produz equipamentos, apenas os comercializa, não tem muita margem de manobra. Para fazer face aos atuais desafios, temos tentado apostar no serviço que prestamos ao cliente

Em termos gerais, acha que 2022 será melhor do que 2021?

É difícil responder a essa pergunta. Até ver, o nosso ano está a correr bem, mas é difícil saber como vão ser os próximos meses. Portugal trabalha muito com a Alemanha que, durante muitos anos, apostou muito nos países de Leste, como a Polónia e a República Checa, que agora estão a ser muito afetados pela guerra.

2022 é ano de K. A sua empresa ou as suas representadas irão apresentar novas tecnologias na feira? Quais?

Este ano, a expectativa é superior ao normal. Não só porque é a primeira K depois do início da pandemia, como pelos fatores de incerteza como o reavivamento da pandemia nos países asiáticos e a própria guerra. A K vive muito dos visitantes asiáticos e americanos. Se eles não puderem ir, a feira será, necessariamente, mais fraca que o habitual.

No que respeita à KraussMaffei, ainda não podemos revelar pormenores, mas sabemos que vai haver novidades em praticamente todos os segmentos. A marca vai continuar a apostar nas máquinas elétricas, nas máquinas mais compactas, bem como em equipamentos mais estandardizados, com menores custos, mas também nas máquinas feitas à medida de cada projeto.

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

interplast.pt

InterPLAST - Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Estatuto Editorial