Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Schneider Electric pede mais esforços para acelerar a transição energética e fazer frente à crise energética

17/01/2023
Apelo ocorre a propósito da reunião anual do Fórum Económico Mundial.
foto

A Schneider Electric lançou um apelo urgente aos governos e empresas em todo o mundo para acelerarem as suas ações de sustentabilidade e intensificarem o investimento em tecnologias que vão ajudar a reduzir as suas emissões de carbono e a reforçar a sua segurança energética.

O apelo acontece num contexto de aumento dos preços da energia, crise de abastecimento energético e rápida aceleração das alterações climáticas que, juntos, colocam grandes desafios às empresas, economias e sociedades em todo o mundo. Estes desafios são o pano de fundo da reunião anual do Fórum Económico Mundial em Davos, Suíça, até 20 de janeiro, na qual participam executivos seniores da Schneider Electric.

“As atuais crises climática e energética são uma realidade económica para cada vez mais pessoas. No momento em que os líderes empresariais e decisores políticos se reúnem em Davos, devemos agir de acordo com os nossos próprios interesses a longo, e não a curto, prazo”, comentou Jean-Pascal Tricoire, Chairman & CEO da Schneider Electric.

“Não devemos evitar as decisões difíceis. Não pode haver prosperidade a longo prazo sem uma transição energética total. Na Schneider Electric, a nossa abordagem é 'Digitalizar, Traçar Estratégias, Descarbonizar' – e as empresas, governos e sociedades devem fazê-lo agora, para cumprir os compromissos que assumiram", frisa.

Sendo que 38% das emissões globais de CO2 é proveniente do ambiente construído e 32% da indústria, os produtos, software e serviços da Schneider Electric nas áreas da automação industrial e da gestão de energia ajudam empresas, indústrias, gestores de edifícios e casas a descarbonizar e digitalizar a sua utilização de energia.

A Schneider Electric também oferece insights profundos sobre tendências e soluções de descarbonização, através de pesquisas, investigações e relatórios detalhados compilados pelo Schneider Electric Sustainability Research Institute.

Uma investigação independente a mais de 500 executivos de alto nível encomendada pela Schneider Electric no ano passado mostrou que os compromissos e investimentos em sustentabilidade corporativa são frequentemente prejudicados pela complexidade da descarbonização. Em média, o compromisso financeiro com iniciativas de sustentabilidade e descarbonização nas empresas inquiridas foi inferior a 2% da receita projetada para os próximos três anos – ainda que estes investimentos costumem ser eficientes e económicos, com o retorno do investimento muitas vezes inferior a um a três anos.

Os inquiridos destacaram o alinhamento dos stakeholders, o orçamento, a tecnologia, as competências e a regulamentação como desafios para a implementação da sustentabilidade. No entanto, a maioria disse que a automação industrial melhorada e a atualização da infraestrutura elétrica serão uma parte fundamental do seu plano de sustentabilidade para os próximos três anos.

A aquisição de energia renovável está entre as principais iniciativas levadas a cabo do lado da oferta, enquanto a eletrificação – uma medida fundamental do lado da procura – está mal classificada enquanto prioridade de sustentabilidade para as organizações. Para além da eletrificação, o fornecimento de mais eficiência à infraestrutura existente, através da digitalização e da automação, estará entre as alavancas mais importantes na próxima década, sendo o meio mais rápido e economicamente eficiente para muitas organizações reduzirem as emissões.

Adotar a sustentabilidade como um imperativo corporativo e as soluções digitais como essenciais para navegar a crise global de energia

Um outro relatório recente da Schneider Electric sobre o potencial de eletrificação da UE descobriu que colocar o foco em setores em que a eletrificação é tanto viável como atrativa poderia aumentar a participação da eletricidade no mix de energia de cerca de 20% para 50%. A quota do gás natural e do petróleo, por sua vez, cairia cerca de 50%, contribuindo significativamente para uma maior segurança energética. A Schneider Electric oferece soluções específicas e práticas para ajudar as empresas a navegar esta transição com mais rapidez e eficiência.

A Schneider Electric aponta ainda que a atual crise energética europeia segue-se a décadas de energia segura e fiável disponível e preços relativamente estáveis. Muitos estão a lidar agora pela primeira vez com fornecimentos de energia imprevisíveis e preços incomportáveis, demonstrando uma falha tanto na preparação da segurança energética a longo prazo, como na implementação de planos de descarbonização. Isto, por sua vez, salienta a importância de reavaliar toda a equação da energia, desde o lado da oferta (transição energética) até ao lado da procura (eficiência energética).

“O propósito e os lucros devem estar alinhados para se tornarem forças poderosas na luta contra as alterações climáticas”, continuou Jean-Pascal Tricoire. “Já dispomos da tecnologia para evitar as crises energéticas e climáticas e para fornecer uma distribuição e utilização de energia segura, fiável e sustentável. A nossa abordagem baseada em dados, que abrange automação industrial, digitalização e a tecnologia de gémeo digital do metaverso corporativo, combina-se para desbloquear um futuro mais promissor, mais sustentável e mais próspero. A urgência por entrar em ação é maior do que nunca”, concluiu.

Empresas ou entidades relacionadas

Schneider Electric España, S.A.U.

interplast.pt

InterPLAST - Informação profissional para a indústria de plásticos portuguesa

Estatuto Editorial